sexta-feira, 8 de abril de 2011

////

Dois assuntos que me incomodam.

Muito, muito, muito, muito triste o que aconteceu na escola do Rio de Janeiro ontem! Passei o dia assim chocada, triste, pois como todos sabem trabalho em escola e vocês não tem noção do carinho que a gente sente pelas crianças ( mesmo tendo uns muito irritantes). Me solidarizo com a equipe da escola, e fica aqui um abraço muito apertado para os professores que estavam em sala de aula ontem e se depararam com uma monstruosidade dessas cometida por um ex aluno.
Tudo muito triste, mas no meio disso tudo tem um fato que me incomoda muito. Por que a impressa precisa frisar tanto e tantas as vezes que o monstro que cometeu esse crime horrível era filho adotivo?
Podem reparar que o " adotivo" é postado em letras garrafais como se fosse uma explicação para o ato cometido. Nunca li uma manchete do tipo: " Suzane Von Richtofen, filha biológica, assassinou os pais". Mas se fosse adotiva o " adotivo" viria em vermelho no jornal.
Quando eu conto para as pessoas que tenho filhos, digo que tenho FILHOS, para o bem ou para o mal são apenas filhos. Quando preciso salientar que são adotivos, é apenas para que as pessoas  entendam que ser mãe adotiva é sim uma opção tão feliz quanto gestar um filho na barriga, a única diferença é que filho adotivo se gesta na cabeça e no coração.
Fico triste ao ver tanta ênfase a filiação do sujeito, parece que ele trazia em seu DNA  defeitos provenientes da família biológica. Cheguei ouvir na rua ontem " isso que dá criar filho dos outros". Não respondi, pois se respondesse naquele momento seria mais ignorante que a ignorante que proferiu essa frase.
Outro assunto que me incomoda é perceber a raiva que alguns pais adotivos tem dos pais biológicos de seus filhos, chegando a achar uma afronta a vontade do filho de conhecer a sua história. Gente, filho adotivo não é carro 0 KM que só passa a rodar quando está com a gente, ele conviveu no mínimo 9 meses na barriga de uma pessoa que tinha sentimentos e sensações que lhes foram passadas todo esse tempo. Se o filho chega mais " velhinho" , traz consigo toda uma história que precisa ser respeitada.
A " mãe verdadeira" sou eu que os crio com amor, carinho e limites, mas existiram outras duas as quais eu tenho uma dívida de gratidão imensa, pois se elas os tivesse abortado eu não seria tão feliz e completa hoje. Quando me perguntam sobre elas, respondo sempre com a verdade, sem me melindrar ou sentir ciúmes. Se eles chegaram até a mim é porque essa missão é minha e agradeço a Deus por ela em todos os momentos felizes ou tristes que passamos juntos.
Meus filhos são minha alegria, e se Deus quiser serão grandes pessoas, independente da barriga em que tenham sido gerados, ou pela casa onde tenham sido criados, serão bons pois eles tem essa essência.


Gente bom fim de semana, com muito sol e com o carinho das pessoas que vocês amam!
Beijos
Glau

6 Comentários.

Comente!
  1. Nayran Moreira disse... 8 de abril de 2011 09:31

    Olá Glau!!

    Parabéns pelas belas, inteligentes e verdadeiras palavras!! concordo plenamente com sua visão!

    Deus vos abençoe!!

    Abs!

  2. Marcia disse... 9 de abril de 2011 11:24

    Em pequenas e as vezes imperceptiveis expressòes moram grandes preconceitos. Parabéns, a cada dia admiro ainda mais o ser humano que vc é!

  3. devaneios domésticos disse... 11 de abril de 2011 15:36

    Olá querida, sábias palavras!!!! Concordo com voce! Por isso que adotar um filho nao é pra qualquer um.
    Além de sermos vizinhas somos também da mesma profisão.
    Tenha uma linda semana!
    Bjs Fer

  4. Bianca Guimarães disse... 12 de abril de 2011 16:38

    E eu assino embaixo!

  5. Eli disse... 13 de abril de 2011 18:39

    Querida graças a Deus to te seguindo, pois já percebi o ser humano lindo que vc é. Eu também me incomodei com essa ênfase ao "adotivo", principalmente porue também sou filha adotiva (acho que podemos bater um bom papo hein?). Fui muito bem criada por mais maravilhosos que me deram todo o amor que um ser humano é capaz de dar. Há excelentes pais e mães e há péssimos pais e mães. Há filhos maravilhosos e outros que só trazem problemas. Mas isso tudo independe de ser adotivo ou biológico, afinal quando geramos um filho em nossas entranhas também não sabemos como ele nascerá e como será no futuro. Adorei o seu post, concordo com tudo e tenho tantas coisas, experiências que queria muito trocar contigo... Beijos!

  6. Lu Souza Brito disse... 15 de abril de 2011 17:17

    Glau,

    Eu também nao gosto de ouvir / ler estas coisas. Como se fato de ter sido adotado foi o que o tornou esse monstro.
    Estou chegando aqui hoje, você sabe. E gostei de saber que tem filhos adotivos. Eu ainda nao sou mae, primeiro por motivo de saude (tratamento para Artrite reumatoide) e agora porque decidi que primeiro preciso colocar a casa em ordem ). Mas sempre quis ter um filho biologico e adotar outro. Meu marido quem me mostrou que nao é mae só quem gera. Por ele, se tivessemos condiçoes, adotariamos umas 5 crianças, sem discriminação de idade, cor, sexo...

    um abraço

Postar um comentário